Mana Sara de Regresso de Moçambique

Costumava saber-lhes o nome. De todos sem excepção. Tudo começou porque quis ajudar 30 crianças. E penso que até às 250 consegui manter nome do Padrinho e do Afilhado na memória. Mas hoje (felizmente) a Um Pequeno Gesto tornou-se em algo para além de mim, da minha memória e da minha história.

Os 10 dias em Moçambique são cada vez mais sobre como transformar Pequenos Gestos em Grandes Ajudas, como explicar as necessidades de comunicação de quem faz Pequenos Gestos e como resolver as preocupações daqueles que no terreno, executam as Grandes Ajudas.   

Com alguma tristeza passo menos tempo com as crianças e mais tempo com os adultos, mas sempre soube que era o outro lado de crescer. Continuo a ver as crianças, as suas casas e as suas famílias, mas já não posso passar o dia na Escola com eles a brincar, pintar, ler, jogar futebol ou montar um puzzle. De soslaio olhei as voluntárias que estavam na “Sala de Projecto” e de certa forma invejei o seu trabalho com os pequeninos. Mas também fiquei contente porque é parte do meu trabalho que seja possível as “Manas” virem para Moçambique.  

A visita a Moçambique muitos pontos altos, alguns pontos baixos, mas há coisas que nunca mudam, seja o que fizermos na visita – temos sempre pouca vontade de vir embora e, quando voltamos, chegamos sempre com mais sonhos e mais vontade de trabalhar.    Deixo em baixo um sumário do que visitámos, o que discutimos, com quem falámos, porque transparência é sempre bom. Mas detalhes sobre cada um dos dias, das visitas, das conversas, terão de vir em muitos mais posts, uns sobre a forma de história, outros sobre a forma de novos projectos e novos sonhos que trazemos na bagagem.    Dia 1: Visita à Escolinha do André e à Parceira Local, Irmã Isabel. Muita conversa sobre voluntários, a licença “sabática” da Irmã e potencial partida de Moçambique, Conversa sobre o contacto com os Padrinhos da Escolinha, as avaliações dos alunos e o reforço da equipa da escola.        Dia 1: Encontro com a Voluntária Cátia, em Moçambique por 6 meses e a meio da sua estadia.   Dia 2: Visita à Escolinha Flor da Infância, reunião com os técnicos e assistentes da escola – Marquês,Solange e Hélder – reunião com a Irmã Helena, a nova Directora da Escola. Discussão de novas condições do Apadrinhamento na Escolinha  

Dia 2: Discussão das alterações ao programa dos Meninos de Xai-Xai e formas de continuação do plano de Poupança para as crianças


Dia 3: Visita à Missão de Chongoene e reunião com o Parceiro Local Padre Rosendo sobre os Programas de Banhine e Nhancutse. Planificação da construção dos furos, parcialmente financiados pela UPG Reino Unido. 

Dia 3: Visita ao Centro de Informática e discussão de formas de melhorar a rentabilidade do centro, que ameaça fechar

Dia 3: Reunião com o novo técnico UPG Arnaldo, de apenas 16 anos, e que faz a comunicação com os Padrinhos de Banhine e Nhancutse  

Dia 4: Ida a Chiare com o Parceiro Local Padre Rosendo, onde a bomba do furo re-construído pela UPG foi roubada. Uma nova bomba foi posta mas por alguém vizinho mas agora a água tornou-se cara para a população. Procura de soluções

Dia 4: Ida a Bungane com o Parceiro Local Padre Rosendo. O carro parou no meio do mato mas ainda conseguimos visitar a Palhota dos Afilhados da Fundação Luis Figo. Ficaram por visitar as palhotas de Nhancutse, porque tudo atrasou   Dia 4: Partida para Chokwé, onde fomos recebidos pela Irmã Neuza, em plena época de exames na escola. Discussão dos prós e contras do Programa de Voluntariado, alterações para melhoria da Sala de Estudo e qualidade da educação das crianças e potenciais melhorias para 2012.       

Dia 4: Encontro com as voluntárias Margarida, Peddy e Piedade que estão ao serviço na Escola de Santa Luísa de Marillac e São Vicente de Paulo

Dia 5: A minha primeira visita à Escola Santa Luísa Marillac. Todo o bem que dizem da escola é verdade, como já pus no último post  

Dia 5: Recepção com as crianças de Santa Luísa,visita à escola e conhecimento das várias actividades. Distribuição de alimentos do mês de Novembro. Discussão das necessidades de ajuda nos projectos de Economia Doméstica. Discussão do alargamento a 20 novos afilhados. 

Dia 5: Visita à Palhota da Teresa e da Sandra para entrega das chaves da casa. Apesar de estar sem chão, as meninas já conseguem imaginar onde vão dormir! Financiada por um Desafio UPG!

Dia 5: Visita à Palhota (ou já nem isso) do Benete, da Flora, do Nélson e do Elísio, as 3 palhotas cuja construção vai iniciar-se ainda este mês, financiadas pela UPG Reino Unido. 

Dia 6: Visita a Hokwé, onde fica o Internato dos “Meninos de Hokwé”, um novo programa de Apadrinhamento da UPG. Conversa com a Lina, sobre os estudos, condições e a necessidade de não engravidar. Discussão com os professores e a  
directora sobre a forma de prevenção da SIDA e gravidezes indesejadas.

Dia 6: Visita a Chiaquelane e à ex-Parceira Local Irmã Isaura. Com lágrimas nos olhos encontrei muitas das crianças que a UPG deixou de Apadrinhar, inclusivé aquele que será sempre meu afilhado Zezito. Os mais velhos regressaram às suas casas. Os pequenotes continuam por ali. Detalhes para um post mais tarde.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s