De coração cheio…

A Joana é assistente de projectos, as suas actividades diárias incluem a gestão do quotidiano dos projectos, supervisão, avaliação e comunicação com os parceiros locais. Em Abril esteve em Moçambique, depois de assentar de uma viagem emocionante deixou-nos este testemunho dos seus dias no terreno:

Em Abril deste ano, a UPG deu-me a oportunidade de ir a Moçambique e ver com os meus próprios olhos, todo o trabalho que tem sido feito ao longo de quase 11 anos, e para o qual eu tenho contribuído há quase 2. Quando nos afastamos da confusão de Maputo e nos dirigimos para “lááá”, o Mano Hilário diz-me com um sorriso “Agora é que vais conhecer Moçambique!” E foi mesmo. Não consigo explicar bem o que é visitar um lugar onde parece que já estivemos. Entrar na Escolinha do André e reconhecer o pátio que tanto se vê nas fotografias, onde os meninos e meninas se sentam a “mata-bichar” ou a almoçar.

Chegar a Chongoene e reconhecer a Igreja e a Missão. Entrar na Escolinha Flor da Infância ou na Escolinha de Santa Catarina e ver o muro que a Mana Carol pintou o ano passado, ou conhecer as professoras que a Mana Margarida tanto falava e que até então só tinha visto em fotografias. Conhecer as mamãs que nos ajudam e que conhecem todas as crianças como se fossem todas suas filhas. Ser recebida por todos como se me conhecessem há muito, e na verdade acabavam de me conhecer.Desde que comecei a trabalhar na UPG, sempre tentei perceber como seriam aqueles lugares, e compreender as dificuldades diárias dos nossos técnicos em recolher as informações que lhes pedimos a toda a hora. Realmente, só se percebe mesmo quando se está lá e vivendo aquela realidade.Nunca pensei que esta viagem fosse ter um impacto tão positivo.

Talvez por isso me tenha emocionado logo na chegada a S. Vicente quando as mamãs nos receberam de braços abertos, com cantigas e um enorme sentimento de gratidão. Ou quando entrei em Santa Luísa e senti que cada esforço que fazemos para financiar o Programa de Alimentação ou o Centro de Dia é reconhecido. Talvez por isso me tenha sentido de coração cheio por cada presente que entreguei a cada criança. De cada vez que me agarravam a mão ou me tocavam no cabelo, ou simplesmente por brincar com elas. Conhecer a Cleise, a minha afilhada na Missão de Chongoene ou o Nelson, o afilhado dos meus pais em S. Vicente, foi como conhecer parte da família e não podia ter ficado mais feliz ao olhar para eles quando lhes disse quem era.

Ir a Moçambique fez com que tudo fizesse (ainda mais) sentido e todos os dias quando me levanto para ir para a UPG (mesmo quando me custa muito acordar) lembro-me das quase 3 semanas que passei junto das pessoas para as quais trabalho todos os dias, e que provavelmente todas elas já estão acordadas há pelo menos 2 ou 3 horas e que sem tomar o pequeno-almoço, deram início a mais um dia. 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s